Provavelmente a pergunta que mais me fizeram ao longo da vida foi essa: como ser designer freelancer? Dá para sobreviver nesse mercado sem a certeza de um pagamento no final do mês, férias, estabilidade e tudo o mais? Se você quer começar a cuidar do seu próprio destino achou o conteúdo certo. Deixe que eu te conte um pouquinho mais da minha história.

Afinal, como ser designer freelancer?

Trabalho há alguns muitos anos. Desde 2010, na verdade. Pode parecer pouca coisa, mas quem está chegando nesse post provavelmente ainda estuda ou está em algum de seus primeiros estágios. Então seis ou sete anos de experiência fazem uma bela diferença e parecem quase inatingíveis.
Logo quando entrei para a Escola de Design da UEMG sempre tive como única prioridade exatamente essa tal de experiência. Ela estava em todos os anúncios de vagas de estágio, o que me confundia um pouco. Como eu vou ter experiência se é preciso dela para começar?
Calma. Nem tudo é tão difícil assim. Lá na UEMG mesmo sempre rolaram oportunidades bacanas para explorar minhas habilidades. E foi assim que eu comecei. No Centro de Design, que hoje se chama Laboratório de Design. Com ajuda do Professor Silvestre, peguei meu primeiro freela.
Eram umas ilustrações simples para um rótulo de cachaça e eu jamais compartilharia o resultado com vocês nem por um decreto. O nosso primeiro trabalho é sempre assim, meio desajeitado mesmo.

Por onde devo começar?

A minha recomendação é estar sempre atento às oportunidades ao seu redor. Foi pela recomendação de professores e passando muito do meu tempo na universidade (um privilégio para poucos) que me tornei um rosto conhecido aqui e ali. Assim que abriram uma das disputadas vagas no Centro, me chamaram pra uma conversa. Você deve estar pronto o tempo inteiro.
Nunca é cedo demais para fazer seu primeiro portfólio, por mais que acredite que seu trabalho não está maduro o suficiente. Eu tinha um portfólio em mãos e muita vontade de começar e o Silvestre conseguiu perceber isso e me deu uma grande chance.
Dali saí pro meu primeiro estágio no mundo real, que levou a outros, que levaram a empregos, que me levaram a perceber que me sentia mais feliz e obtinha melhores rendimentos trabalhando em casa.

O que devo ter para ser um bom designer freelancer?

Força, foco e fé. Não estou brincando, embora pareça. É difícil conseguir clientes, é mais difícil ainda mantê-los e todos os dias você tem que superar as distrações para conseguir trabalhar.
Tenho um labrador que não me deixa em paz, mas às vezes é preciso dizer “Mabel, alguns de nós tem empregos” e botar a mão na massa. A disciplina, o portfólio e os clientes chegam com o tempo, por recomendação de amigos ou através de sites na internet.
O importante é nunca desistir. Você pode ser dono do seu destino, abandonar as agências e sua rotina maluca e se divertir enquanto faz isso tudo. Para mim, o melhor é ter a certeza de que faço o que amo e amo meu estilo de vida, assim, livre.
A jornada para chegar até aqui não foi nada fácil e até hoje amigos presos na correria me perguntam: como ser designer freelancer? A resposta é que não há uma resposta certa. Cada um de nós encontra o próprio ritmo e espaço para crescer e prosperar. E você, quer se aventurar por essa carreira? Então me conte um pouco da sua história nos comentários!